tô hippie. e por hippie entenda estar ouvindo no repeat duas músicas. isso é o máximo de riponguice que você vai arrancar de mim (tá, e a fase cítara dos beatles).

deve ser porque revi fear and loathing in las vegas esse fim de semana. não entendo como tanta gente acha esse filme um saco. será que precisa já ter tido um brief encounter com algum tipo de droga pra achar ele simplesmente djenial? pra mim, se você já é experienced ele é divertidíssimo. se você não é, é uma ótima maneira de conhecer uma viagem de droga sem precisar tomar/beber/cheirar/injetar nada. e se você acha o filme sem sentido, creia: pointlessness is the point.

por sinal hoje morreu albert hofmann, o inventor do lsd. aos 102 anos. eu disse 102 anos, ouviram?

voltando, as duas músicas fazem parte da trilha, mas eu nem lembrava disso porque já adorava as duas faz tempo.

white rabbit, do jefferson airplane. a música que termina com um crescendo (jesus, a cena da laranja no filme), apologia às drogas em entrelinhas muito pouco discretas, passível de repeat ad eternum. não diga que não avisei.

buffalo springfield, expecting to fly. triste, triste, triste. para dias e corações chuvosos.

*

ps: vocês viram que apareceu uma sex tape de jimi hendrix? sendo ele ou não, não assistirei.